Adestra Campinas

Fox Paulistinha ou Terrier Brasileiro – Adestra Campinas

Fox Paulistinha ou Terrier brasileiro é uma raça de cão desenvolvida no Brasil, tipo terrier de porte médio. É uma das 10 raças brasileiras conhecidas. As outras são o Buldogue Campeiro, Dogue Brasileiro, Ovelheiro Gaúcho, Fila Brasileiro, Veadeiro Pampeano, Rastreador Brasileiro, Podengo Crioulo, Galgo da Campanha, Barbudo e sua versão menor Barbudinho.

História

O Terrier Brasileiro ou Fox Paulistinha como também é chamado é a segunda raça de cão originalmente brasileira, sendo a primeira o Fila Brasileiro.

Não se tem certeza de suas origens, uma das hipóteses é que descendem dos Fox Terrier de Pelo Liso, Jack Russell Terrier e cães de fazenda brasileiros. Há outra hipótese, bem forte, de que cães de tipo Terrier, sem precisão de raça definida, viajavam como caçadores de ratos em navios mercantes, principalmente nos ingleses, desde o século XIX. Acredita-se que o Terrier Brasileiro é originado do acasalamento destes cães. Estes mesmos cães teriam dado origem a outras raças como o Jack Russel, o que justificaria a similaridade física entre as raças.

Tendo o mesmo padrão desde 1920, a primeira tentativa de reconhecimento ocorreu em 1964, mas pelo baixo número de registros o processo foi cancelado. Depois de muito trabalho por parte de alguns criadores, a raça recebeu o reconhecimento provisório em 1995 e o definitivo em 2006. Esse processo é feito pela FCI (Federação Cinológica Internacional), com sede na Bélgica e que tem uma série de regras a serem cumpridas antes do reconhecimento definitivo (como comprovar ausência ou controle de doenças genéticas, número mínimo de exemplares sem parentesco próximo, ninhadas que nasçam homogêneas, etc).

O Terrier brasileiro foi adaptado tanto ao campo como ao meio urbano, onde teve a importante função de guardar as mercadorias dos armazéns da ação predatória de roedores. No meio rural, também com eficiência, passou a desempenhar atividades de caça e pastoreio de rebanhos.

Temperamento

De temperamento alegre e cheio de energia, o Fox Paulistinha é ágil, inteligente e muito adestrável, comum em apresentações caninas.

Ótimo para companhia de crianças por seu comportamento brincalhão, sempre alerta, forte e leal. Mansos com a família costumam estranhar desconhecidos e cuidar de seu território(tem agressividade baixa com os donos e alta com os desconhecidos).

Como os terriers, essa raça se desenvolve bem fazendo tanto o papel de cão de companhia até cão de alarme e caça de pequenos roedores. Porém é preciso ser firme para o treinamento pois esta raça é muito independente. Não tem medo de cães maiores e sabe se defender muito bem. Se dá bem na criação conjunta de outros cães.

O Terrier Brasileiro é originalmente um cão de caça de pequenos roedores, portanto é um cão independente pois não precisa de comandos para realizar seu trabalho. Em casa ele é um cão de guarda e alarme, sempre atento com tudo que acontece ao seu redor.

Com a família é extremamente carinhoso e ótima companhia, mas é arredio com estranhos. Com crianças é preciso um pouco de cuidado pois em geral o Terrier Brasileiro não é muito tolerante, tem forte instinto de matilha e costuma obedecer apenas a um líder. É um cão de temperamento forte como todo terrier e precisa ser educado desde filhote.

Padrão

Não exige muitos cuidados.

É um cão de pelo curto, os machos devem ter entre 35 e 40 cm e fêmeas entre 33 e 38 cm (na cernelha), pesando até 10 kg, robusto e de personalidade independente. Sempre é de coloração tricolor. O corpo tem fundo branco,com marcações pretas, marrons (fígado) ou azuis (cinza) salpicadas. A cor canela (tan – uma espécie de bege) pode ser encontrada entre a cor branca e a outra cor e/ou salpicada em pequenas pintas (bem pequenas) nos membros dianteiros (“braços”). A ausência do tan no corpo é permitida, bem como a segunda cor (preta, marrom ou azul) formar uma “capa” por cima do dorso.

A cabeça tem uma máscara preta, cinza ou marrom com pelagem canela ao redor da boca, sobrancelhas e na região interna e borda das orelhas. Pode haver (não é obrigatório) marcações brancas no focinho e no alto da cabeça, mas estas devem ser o menor e mais simétricas possível.

Orelhas pendentes e triangulares, olhos castanho-escuros, o mais escuros quanto possível nos pretos, e verdes, castanhos ou até azuis nas outras cores. Peito amplo com formato de “barril”, não sendo esgalgado, como nos galgos.

Cauda íntegra, podendo nascer sem cauda ou com cauda curta em algumas linhagens. O corte por estética não é mais permitido.

Saúde

O Terrier Brasileiro é uma raça muito robusta que não apresenta nenhuma tendência para doenças, sendo necessário somente cuidado com os parasitas como carrapatos, pulgas e fungos.

Adestra Campinas