Adestra Campinas

Pug – Adestra Campinas

O Pug é uma raça de cão de companhia originária da China. Era uma raça de realezas.

Aparência

Essa raça tem características marcantes, como focinho achatado, e rabo em espiral. Seu porte é pequeno, e seu peso ideal está entre os 6,3 a 11,5 Kg. A pelagem do seu musculoso corpo é fina, lisa, macia e curta. A cor é prateado, abricó-castanho ou preto. O Pug tem um grande charme e boa disposição. Seus olhos são grandes, de formato globular; sua expressão doce e alerta. O Pug pode medir de 25 a 28 cm de altura.

É incapacitado de viagens longas e cansativas, pois seu focinho achatado dificulta sua respiração, que normalmente é ofegante.Devido a este focinho, não suporta ficar em locais quentes e abafados, podendo vir a falecer rapidamente.

Temperamento

Bastante fiel ao dono, torna-se facilmente um companheiro inseparável, na verdade, acompanha-o para todo o lado mesmo sem ser convidado. O Pug demonstra-se extremamente sociável e rapidamente se enquadra e adapta a ambientes e pessoas estranhas. É considerado uma das raças mais dóceis.

Outra característica diferenciadora é o seu latido: som emitido, muito parecido com um roncar, é intervalado por grunhidos como se o cão estivesse engasgado. No entanto, quando quer comunicar-se com alguém, o som torna-se mais agudo e longo. De acordo com o livro A Inteligência dos Cães, de Stanley Coren, o Pug encontra-se na 53ª posição entre as raças pesquisadas no quesito Inteligência a Adestramento e Obediência a Comandos.

A expectativa de vida do Pug varia entre cerca de 13 a 15 anos.

História

De origem chinesa, o PUG foi levado à Holanda por volta do século XVI pela Companhia Mercante de Navegação Holandesa, dita Companhia das Índias, e foi bastante apreciado pelas damas da sociedade como cão de colo. Depois chegou à Inglaterra que o adotou e mais tarde redigiria o seu padrão. Antes, porém, no início do século XVII, já era difundido em vários países europeus como Itália, França, Espanha e Alemanha. Sempre tido como animal de estimação da nobreza e alta sociedade, sua trajetória remonta os episódios com Napoleão Bonaparte, Willian the Silent, o rei da Holanda e mais recentemente com o Duque de Windsor.

Sem o aviso de um pequeno Pug, Willian teria morrido nas mãos dos espanhóis. O latido de alerta do cão avisou sobre a invasão e salvou uma vida real. O Pug tornou-se o cão oficial da corte, e o túmulo de Willian exibe, além dele, seu querido cão de estimação.

Contudo, sua origem permanece menos certa que os serviços que presta. Ele pode ter ascendência asiática ou européia e o nome provavelmente pode se referir a um tipo de sagüi de aparência (também chamado de Pug).

Possui também outros nomes como por exemplo: Mops do verbo “Moppen” que significa “de aspecto franzido”, na Alemanha.

Os ingleses o batizaram de Pug ou “Pug-Dog”, isto é “coisa diminuta”, “cão diminuto”.

O nome Carlino ou Carlini foi usado pela primeira vez na França, pelo aspecto cômico, curioso e mal-humorado ao mesmo tempo, que lhe conferem as rugas e a pigmentação particular do rosto, o nome de um ator, célebre no papel de Arlequim, com o qual o rosto redondo, com mascara preta, revelava certa afinidade.

No Brasil a difusão da raça ainda é muito pequena, mas basta que seja um pouco divulgada para demonstrar seu potencial de carisma que há muito já foi descoberto pelo mundo.

Weimaraner – Adestra Campinas

Weimaraner ou Braco de Weimar (também conhecido por Fantasma Prateado)ou como nick é um cão de alguns séculos, pois já aparece numa pintura de Van Dyck do século XVII. Sua origem é contraditória, mas seu país de origem é considerado a Alemanha.

Aparência

Fisicamente, é um cão de porte médio-pesado e formas bonitas. Com altura de 59 a 70 centímetros, cabeça larga, nariz rosado escuro, focinho longo e forte, stop mínimo, orelhas largas e compridas, olhos de cor âmbar, cauda cortada em 4 cm nos países que permitem essa prática. Seus membros são longos e musculosos, o pêlo é fino e pode ser curto ou longo, nas cores cinza prateado (o mais comum), cinza-cervo ou cinza-rato.[1] O corpo é musculoso, balanceado e gracioso, com movimentos rápidos e leves. A cabeça possui crânio largo, com focinho quadrado, olhos afastados e orelhas longas, largas, arredondadas e caídas. A cauda é cortada. Os membros são retos e fortes, porém não são largos.

Temperamento

Seu temperamento é vivo, sincero, afetuoso e alegre. É um cão que pode ser utilizado em todo tipo de caça. Este cão é extremamente fiel, se bem treinado, gosta muito de correr e brincar, não é agressivo, e é meigo com as crianças. Ele tem uma paciência incrível com todos da casa. É um cão que não tolera ficar muito tempo no canil. Alguns weimaraner ladram muito e escalam cercas. São ótimos caçadores. Muito dócil, mas sabe proteger o dono e seu ambiente, quando necessário. É também desportivo e versátil, pois tem boa resistência física. Curioso, é dotado de uma habilidade única para imitar os movimentos humanos como, por exemplo, abrir trincos e maçanetas para fugir de casa.

Curiosidades

O Presidente Eisenhower possuía um exemplar, que foi o segundo cão a entrar na Casa Branca. Quando pequenos nascem com a coloração dos olhos verdes ou azuis.Quando ficam maiores seus olhos ficam com a coloração âmbar.

Origem

A sua origem é a Alemanha. É uma raça muito antiga e não se sabe precisar exatamente quando surgiu. Há pinturas de 1600 retratando cães da raça.[carece de fontes?]

São quatro as versões aceitáveis para a origem do Weimaraner. A primeira diz que a raça surgiu a partir do cruzamento do Saint Hubert, alguns Hounds Franceses, do Pointer Pêlo Curto, do Pointer Espanhol, do Bloodhound e do German Schweisshunds. Outra versão considera que a raça foi criada a partir de Hounds Alemães. Uma terceira versão afirma que são resultantes de alguma variação do Pointer Alemão Albino. A última versão, e a mais aceita, é que estes cães foram criados pelo Grão Duque Karl August de Weimar, na Alemanha, através do cruzamento de um determinado Pointer Amarelo e de um Pointer Comum. Sabe-se que eram muito apreciados no século XIX, na corte de Weimar. O Weimaraner foi introduzido nos Estados Unidos nos anos 1940 e é conhecido lá como Silver Ghost ou Fantasma Cinza.[carece de fontes?]

Aptidão

Inicialmente era usado para caçar ursos, lobos e felinos. É um exímio caçador. Possui uma mordida macia, leve e muito firme, bastante apreciada pelos caçadores. Atualmente, é mais usado como cão de companhia e para caça de aves.

Expectativa de vida

A expectativa de vida do Weimaraner varia de 12 a 14 anos.

Fila Brasileiro – Adestra Campinas

O fila brasileiro é uma raça de cão de grande porte desenvolvida no Brasil. São usados frequentemente como cães de guarda e cão boiadeiro. Pertencem à categoria dos Molossóides, ao lado de raças como o boxer, e buldogue, dentre outros. É uma das 10 raças brasileiras conhecidas. As outras são o buldogue campeiro, dogue brasileiro, ovelheiro gaúcho, terrier brasileiro, veadeiro pampeano, rastreador brasileiro, podengo crioulo, galgo da campanha, barbudo e sua versão menor, o barbudinho.

Características

Primeira raça brasileira a ser reconhecida internacionalmente pela FCI, o Fila Brasileiro é um personagem da história do Brasil desde os tempos do descobrimento, quando ajudou os colonizadores na conquista de nosso território. Hoje esta raça retorna ao seu posto de orgulho da criação nacional ao ganhar campeonatos mundiais representando o Brasil.

O fila brasileiro teve seu apogeu nas décadas de 1970 e 1980, quando era a raça nacional com maior número de registros. Nesta mesma época começaram muitas mestiçagens, com Mastins napolitanos e também com dogues alemães e mastiffs, e assim passaram a ocorrer as primeiras mudanças em seu padrão oficial (1984). A mais marcante mudança foi a decisão dos criadores da época de abrandar o temperamento agressivo que, de certa forma, era exaltado no padrão anterior. Uma escolha que hoje em dia é rejeitada, acredita-se que o fila é um cão necessariamente com ojeriza a estranhos, mas muito dócil com a família e crianças.

Seu porte e o andar quase felino são suas características físicas mais marcantes. O Fila Brasileiro também é conhecido pela fidelidade e devoção extremas ao dono, características comportamentais mais desejadas como um cão de guarda.

Histórico

Muito se fala sobre as raças que deram origem ao fila brasileiro, porém, estudos comprovam que a intervenção do homem no aperfeiçoamento da raça dividiu igual importância com as árduas condições encontradas pelos primeiros filas brasileiros em nossa história. Eles eram obrigados a desempenhar as mais variadas funções junto aos colonizadores, como guarda, caça, proteção contra animais selvagens, pastoreio e companhia… “Fiel como um Fila” é um provérbio que representa bem a melhor característica da raça.

A teoria mais aceita atualmente é a que reconhece que, durante o período de colonização portuguesa, muitos cães foram trazidos dos Açores pelos colonos. Estes cães pertenciam à raça fila de terceira ou fila terceirense. Os primeiros cães foram cruzados com outras raças como o bloodhound, o mastife e o antigo buldogue, também chamado Doggen Engelsen.

A primeira aparição da raça em exposições ocorreu no ano de seu reconhecimento pela FCI (Federação Cinológica Internacional), 1946, em um evento do Kennel Clube Paulista. Nesta ocasião, dois exemplares (chamados Bumbo da Vila Paulista e Rola da Vila Paulista) inauguraram a participação do Fila.

Hoje, o reconhecimento da criação nacional vem através dos títulos obtidos em competições por todo o mundo.

Perfil clínico

As doenças que mais comumente afetam esta raça estão ligadas a seu porte. São elas:

  • Displasia coxo-femural

Alteração física de caráter hereditário na articulação entre o fêmur e a bacia do cão, que causa problemas de locomoção, dor e incômodo ao animal.

  • Torção gástrica

Caracteriza-se pela torção do estômago, causando compressão da circulação na região abdominal. Pode levar à morte, se o cão não for operado o mais rápido possível.

Resumo das características

Nacionalidade: Brasil

Classificação: Guarda

Grupo FCI: 2

Grupo AKC: 8

Porte: Grande

Temperamento: Dominante, possui aversão a estranhos

Treinabilidade: Rigoroso

Grau de Proteção: Grande

Espaço Necessário: Grande

Altura: machos: 65 a 75 cm. fêmeas: 60 a 70 cm.

Peso: Machos: no minimo 50 quilos, geralmente 70 quilos. Fêmeas: no minimo 40 quilos.

Nível de Energia: Médio

Duração Exercícios Diários: 45 min.

Cor: o branco, cinza rato, malhado, manchetado, preto e canela e azul são cores não permitidas. São permitidas todas as cores sólidas, tigradas de fundo nas cores sólidas, com rajas de pouca intensidade até os fortemente rajados, podendo ou não apresentar máscara preta. Em todas as cores permitidas, admitem-se marcações brancas nos pés, peito e ponta da cauda. Indesejáveis as manchas brancas no restante da pelagem.

Tipo de Pelo: curto

Troca de Pelo: Moderado

Necessidade de Tosa: Não

Fox Paulistinha ou Terrier Brasileiro – Adestra Campinas

Fox Paulistinha ou Terrier brasileiro é uma raça de cão desenvolvida no Brasil, tipo terrier de porte médio. É uma das 10 raças brasileiras conhecidas. As outras são o Buldogue Campeiro, Dogue Brasileiro, Ovelheiro Gaúcho, Fila Brasileiro, Veadeiro Pampeano, Rastreador Brasileiro, Podengo Crioulo, Galgo da Campanha, Barbudo e sua versão menor Barbudinho.

História

O Terrier Brasileiro ou Fox Paulistinha como também é chamado é a segunda raça de cão originalmente brasileira, sendo a primeira o Fila Brasileiro.

Não se tem certeza de suas origens, uma das hipóteses é que descendem dos Fox Terrier de Pelo Liso, Jack Russell Terrier e cães de fazenda brasileiros. Há outra hipótese, bem forte, de que cães de tipo Terrier, sem precisão de raça definida, viajavam como caçadores de ratos em navios mercantes, principalmente nos ingleses, desde o século XIX. Acredita-se que o Terrier Brasileiro é originado do acasalamento destes cães. Estes mesmos cães teriam dado origem a outras raças como o Jack Russel, o que justificaria a similaridade física entre as raças.

Tendo o mesmo padrão desde 1920, a primeira tentativa de reconhecimento ocorreu em 1964, mas pelo baixo número de registros o processo foi cancelado. Depois de muito trabalho por parte de alguns criadores, a raça recebeu o reconhecimento provisório em 1995 e o definitivo em 2006. Esse processo é feito pela FCI (Federação Cinológica Internacional), com sede na Bélgica e que tem uma série de regras a serem cumpridas antes do reconhecimento definitivo (como comprovar ausência ou controle de doenças genéticas, número mínimo de exemplares sem parentesco próximo, ninhadas que nasçam homogêneas, etc).

O Terrier brasileiro foi adaptado tanto ao campo como ao meio urbano, onde teve a importante função de guardar as mercadorias dos armazéns da ação predatória de roedores. No meio rural, também com eficiência, passou a desempenhar atividades de caça e pastoreio de rebanhos.

Temperamento

De temperamento alegre e cheio de energia, o Fox Paulistinha é ágil, inteligente e muito adestrável, comum em apresentações caninas.

Ótimo para companhia de crianças por seu comportamento brincalhão, sempre alerta, forte e leal. Mansos com a família costumam estranhar desconhecidos e cuidar de seu território(tem agressividade baixa com os donos e alta com os desconhecidos).

Como os terriers, essa raça se desenvolve bem fazendo tanto o papel de cão de companhia até cão de alarme e caça de pequenos roedores. Porém é preciso ser firme para o treinamento pois esta raça é muito independente. Não tem medo de cães maiores e sabe se defender muito bem. Se dá bem na criação conjunta de outros cães.

O Terrier Brasileiro é originalmente um cão de caça de pequenos roedores, portanto é um cão independente pois não precisa de comandos para realizar seu trabalho. Em casa ele é um cão de guarda e alarme, sempre atento com tudo que acontece ao seu redor.

Com a família é extremamente carinhoso e ótima companhia, mas é arredio com estranhos. Com crianças é preciso um pouco de cuidado pois em geral o Terrier Brasileiro não é muito tolerante, tem forte instinto de matilha e costuma obedecer apenas a um líder. É um cão de temperamento forte como todo terrier e precisa ser educado desde filhote.

Padrão

Não exige muitos cuidados.

É um cão de pelo curto, os machos devem ter entre 35 e 40 cm e fêmeas entre 33 e 38 cm (na cernelha), pesando até 10 kg, robusto e de personalidade independente. Sempre é de coloração tricolor. O corpo tem fundo branco,com marcações pretas, marrons (fígado) ou azuis (cinza) salpicadas. A cor canela (tan – uma espécie de bege) pode ser encontrada entre a cor branca e a outra cor e/ou salpicada em pequenas pintas (bem pequenas) nos membros dianteiros (“braços”). A ausência do tan no corpo é permitida, bem como a segunda cor (preta, marrom ou azul) formar uma “capa” por cima do dorso.

A cabeça tem uma máscara preta, cinza ou marrom com pelagem canela ao redor da boca, sobrancelhas e na região interna e borda das orelhas. Pode haver (não é obrigatório) marcações brancas no focinho e no alto da cabeça, mas estas devem ser o menor e mais simétricas possível.

Orelhas pendentes e triangulares, olhos castanho-escuros, o mais escuros quanto possível nos pretos, e verdes, castanhos ou até azuis nas outras cores. Peito amplo com formato de “barril”, não sendo esgalgado, como nos galgos.

Cauda íntegra, podendo nascer sem cauda ou com cauda curta em algumas linhagens. O corte por estética não é mais permitido.

Saúde

O Terrier Brasileiro é uma raça muito robusta que não apresenta nenhuma tendência para doenças, sendo necessário somente cuidado com os parasitas como carrapatos, pulgas e fungos.

Basset Hound – Adestra Campinas

O Basset Hound ou simplesmente Basset (lê-se: Bassê) é uma raça de cães de patas curtas e grossas e baixa estatura, criada para caçar pelo faro. Surgiu por volta de 1800 através do cruzamento entre o Bloodhound e o Beagle, adquirindo assim as características da raça como pêlo solto e coloração. Seu faro é muito potente, perdendo apenas para o do Bloodhound. O nome basset vem da palavra francesa “bas” que significa “baixo” ou “anão”.

Aparências

Estes cães tem entre 33 a 38 cm de altura e seu peso fica em torno de 20Kg e 30Kg. Têm pelo liso e curto. Embora qualquer cor seja considerada aceitável para os padrões da raça, os Bassets são geralmente tricolores (preto, marrom e branco) ou bicolores (branco e marrom ou preto e branco)

Uma de suas características principais são as longas orelhas e o pescoço forte, com muitas dobras.

Possui uma cauda longa, afinada no final e curvada para cima. Muitos possuem a ponta da cauda pintada de branco, o que era muito útil quando eram usados para caça, pois podiam ser vistos de longe, mesmo no meio de arbustos.

Possui um excesso de pele ao longo do corpo , rosto e pescoço, o que faz com que o Basset Hound tenha um olhar triste. Isso para muitos é o maior charme da raça. Sua pele é frouxa, o que faz com que quando o basset hound abaixa a cabeça, sua pele forme “rugas”, o que é para muitas pessoa fofo.

É um cão de pequeno porte e pernas curtas. Por isso pode surpreender a todos alcançando objetos em lugares que outros cães com o mesmo comprimento não conseguiriam.

Temperamento

O Basset Hound é uma raça de cães calmos quando adulto.

Diferente da sua aparência, ele é um cão de personalidade forte, sendo muito impulsivo e geralmente não aceita comandos.

Quando filhote é muito agitado e brincalhão, mas com o passar do tempo seu comportamento se estabiliza e torna- se calmo e sonolento. São extremamente leais, sensíveis, carinhosos e ciumentos.

São bastante amigáveis perto de desconhecidos e sempre dispostos a fazer novas amizades. Por isso são muito indicados como animais de estimação para famílias com crianças, mas deve-se levar em consideração seu elevado peso, que pode acarretar acidentes; ele convive muito bem com outros animais de estimação.

Por viver tão bem em grupo, é recomendável que um basset tenha a companhia de um outro animal de estimação, caso fique muito tempo sem a presença de seus donos. Essa companhia ajuda-o a manter-lo longe de problemas. Ou seja, eles detestam ficar sozinhos, latindo e uivando quando isso acontece.

Como comem muito e são menos agitados que a maioria das raças, eles sempre estão dispostos a realizar exercícios, como caminhadas ou brincadeiras com seus donos. Gostam muito também de atividades onde possam exercitar o seu poderoso faro.

A raça tem um instinto muito forte da caça e iniciará um perseguição a pássaros, aves e a quase qualquer coisa que se mova, inclusive a odores, sempre que for possível. Por isso é recomendável sempre deixá-los presos a uma guia quando passeando na rua.

Os Bassets latem quando querem algo ou querem sugerir que não gostam de algo. Usam também uma lamentação baixa, quase um murmúrio, para chamar a atenção, o que soa a muitos proprietários como se seus Bassets “estivessem falando.”

Lhasa Apso – Adestra Campinas

Lhasa Apso ou apso tibetano é uma raça de cão doméstico.

História

O Lhasa Apso é uma raça antiga, criada durante séculos apenas pelos nobres e monges do Tibete. “Lhasa” é o nome da cidade sagrada da região e “Apso” poderá ter origem em cabra, devido à pelagem lanosa, ou “leão”, devido ao seu papel de protector de templos.

O Lhasa Apso é considerado um cão sagrado na sua Terra Natal. Os tibetanos acreditam que a alma de um homem virtuoso descansa no seu animal preferido, depois de morrer.

Como guarda de templos e mosteiros, ladrando furiosamente a desconhecidos, o Lhasa Apso é tido como um amuleto de boa sorte, mas teria de ser oferecido, não podia ser comprado. Assim, estes cães permaneceram desconhecidos do resto do mundo até ao início do século XX. Por volta da década de 1920, Dalai Lama começou a procurar apoios internacionais para a causa tibetana e ofereceu alguns cães desta raça como presente a diplomatas, sobretudo a britânicos.

A raça só se tornaria conhecida nos Estados Unidos da América uma década mais tarde. Mas a popularidade que conheceu foi imediata e em 1935 já tinha sido reconhecida pelo AKC, apesar de ter sido mal classificado como Terrier.

Aparência

Um filhote macho de Lhasa Apso de 8 semanas.

O Lhasa Apso é um cão de pequeno porte, cuja altura deverá ser de 25,4 cm de cernelha para os cães e um pouco menos para as cadelas.

A cabeça é larga, o focinho de tamanho médio e o nariz preto. Os olhos são pequenos, de cor escura e estão tapados pela pelagem da cabeça. As orelhas têm franjas e caem pendentes para cada lado da cabeça. Tem barba e bigodes compridos e de cor mais escura que o resto da pelagem. O pescoço é curto e guarnecido de uma juba. Os membros anteriores são verticais, e tal como os posteriores, estão totalmente tapados pelos longos pêlos. A cauda possui franjas e é mantida sobre o dorso.

A pelagem é comprida, lisa e pesada. As cores permitidas são o dourado, cor de mel, ardósia, areia, cinzenta, preta, branca ou castanha.

Temperamento

Tendo sido criado como um cão sentinela por monges budistas do Tibete, Lhasa Apsos tendem a estar atentos e ter um forte senso de audição com um forte e alto latido que engana a sua dimensão (algumas são conhecidas como “cantantes”). Eles também podem mover muito silenciosamente, o que lhes permite surpreender intrusos, bem como familiares desavisados. O temperamento ideal de um Lhasa é muito atento a estranhos fiel aos mais próximos a ele. O Lhasa está no rank 68 no livro A Inteligência dos Cães, de Stanley Coren, considerada a inteligência a relação entre exercício e obediência.

Lhasa Apsos, embora pequenos, podem exibir breves períodos de energia explosiva. No entanto, Lhasas em geral não são uma das mais ativas raças de cão e, muitas vezes permanece por horas sentado em um sofá-cama ou simplesmente para ouvir intrusos. A maioria dos Lhasa Apsos não gostam de longas caminhadas e que normalmente marcam um perímetro à ser verificado em intervalos freqüentes, em vez de um parque infantil. No entanto, em condições meteorológicas que recordem seu ambiente tibetano ele vive muito bem [temperaturas baixas]. Com pesados cabelos protegendo os seus pés, eles são bastante confortáveis na neve e podem tornar-se mais divertidos do que são, em tempo quente. Tendo sido desenvolvido no terreno acidentado do Himalaia, são surpreendentemente seguros de confiança em terrenos quase verticais como falésias com uma confiança comparável à confiança de caprinos das montanhas.

A raça tem uma alta incidência do alfa instinto, o que leva a traços de personalidade única. Muitos Lhasa Apsos são altamente tolerantes com a solidão.

Lhasa Apsos geralmente agem com mais frieza, parecem-se com a personalidade de um gato e nada tem a ver com a imagem estereotipada de um pequeno feliz. Características de personalidade única Lhasa Apsos eles ganharam uma reputação em alguns círculos como sendo uma raça muito emotiva e que, em alguns casos, revelam-se completamente destemidos. Eles tomam o seu papel como guardiões da família muito a sério e podem ser muito assertivos sobre a não permitir que um visitante para entrar na casa.Esta característica, aliada à sua tolerância à solidão e baixo nível de energia, a raça se tornou popular com as pessoas que vivem sós em quartos pequenos.

Se devidamente treinado desde filhote, irá apreciar banho e tosa, mas eles geralmente não gostam de banho ou de nadar, pois não é característico da raça. O Lhasa Apso é uma raça de vida longa, com alguns chegando a viver mais de 20 anos com boa saúde. Existem alguns problemas de saúde específicos para a raça. Sua visão pode deteriorar com a idade mas mas como são cães que não se orientam pela visão eles suportar cegueira com poucas mudanças perceptíveis no comportamento.

Devido à tendência de alfa comportamento, um macho intacto Lhasa Apso pode ser extremamente dominante e agressivo para outros cães machos inteiros, ainda muito maiores, e obstinado sobre marcação território com urina. Neutering numa idade precoce é fortemente recomendada.

Saúde e Higiene

O Lhasa Apso é na generalidade um cão bastante saudável. Alguns dos problemas mais verificados na raça dizem respeito a mal formações nas articulações, complicações renais e oculares.

A abundante pelagem do Lhasa Apso exige cuidados particulares: o pêlo deve ser escovado todos os dias ou no máximo “dia sim, dia não”, de forma a eliminar riças que poderão causar infecções na pele. Este cão perde bastante pêlo durante todo o ano.

Curiosidades

  • O Lhasa Apso aparece nos quadrinhos da Turma da Mônica (Maurício de Sousa) representado pelo cão verde do Cebolinha, o Floquinho.

Yorkshire Terrier – Adestra Campinas

Yorkshire é uma raça canina de pequeno porte da família dos terriers.

O yorkshire, de padrão reconhecido hoje, é um cão de pequeno porte, cujo peso não deve ultrapassar 3,1 kg[1]. Seu pêlo é comprido, sedoso e perfeitamente reto, sem ondulações.

A coloração, ao longo do tronco, é azul-aço (cor entre o preto e o prata) e fulvo (castanho intenso e brilhante) no rosto, patas e peito. A coloração castanha clareia no trajeto da raiz às pontas. Já a azul-aço deve ser no mesmo tom em todo seu comprimento, sendo mais escura apenas na extremidade da cauda, jamais mesclados de pelos fulvos. Seus olhos são redondos, bem acomodados, escuros e brilhantes. Suas orelhas devem ser eretas, pequenas, bem inseridas e em forma de V. Eles ainda têm a trufa preta e o focinho curto.

Apesar de pequeno, o yorkshire tem por característica a atividade. Ele é também considerado um bom cão de companhia. Negativamente, a raça possui também por característica, alguns problemas ósseos, apresentando, em escala variada, os sintomas.

História

Origem e evolução

A origem ocorreu na Grã-Bretanha. Porém, o desenvolvimento desta raça escocesa, começou muito tempo antes da data do primeiro registro oficial. Há relatos variados sobre suas origens e seu desenvolvimento. Com isso, tenta-se à seguir dar o mais preciso e amplo enfoque sobre sua história, apoiada em livros e publicações, entre os fãs da raça no Reino Unido.

Por volta do século XI, os servos e os trabalhadores para manterem cachorros em quase toda a Inglaterra, deveriam seguir uma lei real, controlada pelos guardiões das florestas reais, obrigando todos os cachorros atravessarem um aro metálico de sete polegadas de diâmetro, para serem classificados como sendo pequenos o suficiente, pois esta classe servil trabalhadora não tinha o direito à caça para a sua subsistência.

No princípio, os cachorros eram usados para caçar ratos e camundongos, embora eles realmente não tivessem a melhor adequação para este trabalho, pois os gatos eram muito mais eficientes nesta função. Não obstante, os cachorros eram úteis completando a dieta do dono pobre, pois caçavam um coelho ou outro pequeno animal ocasionalmente, apesar da proibição.

Antes de 1750, a maioria dos britânicos trabalhava na agricultura, mas com o advento da revolução industrial houve grandes mudanças na vida familiar e muitos operários deixavam a Escócia para transferir-se ao Condado de Yorkshire, onde cresceram pequenas comunidades ao redor das minas de carvão, dos moinhos têxteis, e das indústrias de lã, levando junto consigo os seus cães.

Seus antepassados vieram da Escócia, onde corre o rio Clyde e onde os cães mais utilizados para caça eram o Clydesdale Terrier e o Paisley Terrier, semelhantes ao Sky Terrier, com pêlo macio e a pelagem lembrando o atual Yorkshire, pesando em torno de 5,5 – 7 kg. Contudo, o desenvolvimento adicional objetivando o Yorkshire Terrier atual ainda estava de um certo modo fora de questão, sendo ele muito diferente do Yorkshire Terrier do norte da antiga Inglaterra, muito maior que o Yorkie atual.

Estes terriers foram cruzados com outros tipos de terrier, provavelmente o Preto Inglês, o Toy Bronzeado e o Skye Terrier. Especula-se também ,que em alguma fase o Terrier maltês fora cruzado com estas raças para ajudar na conformação de sua pelagem, composta por pelos longos. Isto é afirmado, visto que o tipo da pelagem do maltês se assemelha a dos Yorkies atuais, exceto pela cor. Todavia, nenhum registro na forma de pedigrees, existe para confirmar estes cruzamentos (possivelmente por causa do baixo nível de alfabetização naqueles tempos).

História recente

A primeira aparição nas exposições foi em 1861, em Birmingham. A primeira inscrição no livro de registros do Kennel Clube foi feita em 1886. Assim, sua história atual tem mais de cem anos.

Em 1898, o Kennel Club da Inglaterra, que acabava de ser criado, reconheceu-o com o nome de Yorkshire Terrier.

Os primeiros cães e seus criadores

Em 1874, os primeiros yorkies foram registrados no livro do Kennel Clube Britânico. Eles foram chamados de “Terriers Escoceses de Cabelo Quebrado” ou “Yorkshire Terrier”, até que em 1886, o Kennel Clube Britânico reconheceu o Yorkshire Terrier como uma raça individual. O primeiro clube da raça Yorkshire Terrier foi formado em 1898.

Durante estes primeiros anos, quem grandemente influenciou a raça foi a Senhora Edith Wyndham-Dawson, que por um tempo foi secretária do Clube Yorkshire Terrier, e trabalhou desde então pela melhoria da raça. Depois, a Senhorita Palmer que era a empregada do canil da Senhora Edith, começou seu próprio canil de yorkies, sob o “prefixo de Winpal”. Quando a Senhora Edith retornou à Irlanda, pelo começo da Primeira Guerra Mundial, a Senhorita Palmer foi trabalhar para a Sra. Crookshank do prefixo Johnstounburn, um nome com uma longa lista de campeões, que atualmente estão aos cuidados de Daphne Hillman, uma entusiasta deste prefixo – o utilizando ainda junto com o seu próprio prefixo de Yorkfold.

Outros nomes também trabalharam arduamente nestes primeiros tempos para a melhoraria da raça. A evolução deve-se a estes primeiros criadores, que se tornaram os fundadores de vários canis na América do Norte e em outros lugares.

O yorkshire terrier atual difunde-se por todo o mundo. Em 1932, somente 300 yorkies foram registrados no Kennel Clube Britânico. Já em 1957, o número chegava a 2.313, e na década de 1970, os yorkies já eram a raça mais popular na Inglaterra. Esta tendência continuou até a década de 1990 com um número de registros de 25.665 yorkishires. Porém, esta tendência começou a declinar, e em 1994 havia 12.343 inscrições, com o yorkie sendo a 7ª raça mais popular.

O yorkshire terrier mais famoso dos tempos modernos no Reino Unido, foi o CH Blairsville Royal Seal. Ele veio do CH Beechrise Surprise e sua dam CH Blairsville Most Royale. Este animal era popularmente conhecido como Tosha, apelido dado por seus admiradores. Ele foi criado pelo seu proprietário o Sr. Brian Lister e sua esposa, Rita. Durante sua carreira de exposições, Tosha ganhou 50 CCs, todos sob juízes diferentes. Ele foi Best in Show doze vezes e dezesseis vezes reserva de Best in Show. Tosha levou 33 prêmios de Melhor de Grupo e foi reserva de Best in Show em Cruft´s em 1978, assim como sua dam tinha sido antes dele. Tosha foi o Top Dog, de todas as raças, durante dois anos consecutivos. Ele se tornou o antepassado de muitos campeões, e ainda se caracteriza como um diferencial nos pedigrees de muitos yorkies atuais.

Quando Royal Seal morreu, aos quinze anos, em 1988, o registro de maior número de CCs da raça foi quebrado por Osman Sameja’s CH Ozmilion Dedication Jamie, que terminou sua carreira de exposições com 52 CCs, embora não todos de juízes diferentes. Jamie também possui dois títulos de campeão de todas as raças e seus prêmios no grupo de Toy dogs o ajudaram a ganhar o título de Top Dog em 1987. O canil de Ozmilion é o Canil de yorkshire terrier que ocupa o topo de todos os tempos e mantém o recorde de registros de maior número de campeões produzidos.

A raça na América do Norte

Alguns dos primeiros canis americanos mais notáveis são Janet Bennet e Joan Gordon (Wildweir), que importaram muitos yorkies ingleses, inclusive das linhas de Johnstounburn, Haringay e Buranthea. O canil Olhos de Veludo[2] exportou mais de 200 Yorkies para criadores americanos. Os canis de Mayfield-Barban, possuídos por Anne Seranne e Barbara Wolferman, também fizeram muito para melhorar a raça.

Outro cachorro que teve influência significativa para os yorkies norte-americanos foi o CH Finstal Royal Icing, criado por Sybil Pritchard no Reino Unido e exportado para os canis de Jentre, depois que Sybil morreu. Ele é proveniente do CH Finstal Johnathan, que ainda tem sua linhagem premiada na Grã-Bretanha atualmente.

Atualmente, o yorkshire terrier também é muito popular na América do Norte. Em 1992, os yorkies classificavam-se como os de número catorze na lista do AKC das raças mais populares, com 39,904 registros. Em 1994 eles subiram para a 11º colocação, embora as inscrições tivessem caído para 38,626. Deve-se isso ao fato de, globalmente, os registros AKC terem diminuído entre todas as raças populares.

Características

Personalidade

Apesar do pequeno tamanho, o yorkie pode ser um cão muito ativo e independente. Baseando-se nisso, pode-se dizer que a melhor posição do yorkie seja perto do dono, mas não subjugado e em seu colo, ainda que alguns tenham particular predileção ao colo, principalmente quando em tempo de frio. Passear ou viajar com a “família” também deixa um Yorkie feliz, pois não se contenta em ser somente companhia, querendo compartilhar de todos os momentos.

O yorkshire possui um caráter doce e sociável, que permite levá-lo a todos os locais sem inconvenientes. Seu temperamento carinhoso e afável o torna um grande companheiro, divertido e devoto, para com aqueles que o cercam, particularmente seu dono, de quem adora receber todas as atenções. Devido a este apego, o yorkie tem por hábito andar atrás do dono, onde quer que ele vá.

Pelagem

A maior dificuldade em criar o yorkshire para competições, segundo os criadores, é obter a coloração correta da pelagem, pois as maiores pontuações dessa raça, referem-se a coloração. Por definição, o yorkshire deve ter duas cores: o azul-aço escuro (cinza-brilhante quase preto tendendo ao azulado) e o fulvo (amarelo-tostad), atentando para o fato de que as cores não devem se mesclar.

O azul-aço não deve ser escuro demais a ponto de parecer preto, e nem claro, aparentando prateado. Já os pelos fulvos, são levemente mais claros nas pontas que nas raízes e produzem um colorido dourado. Cabe ressaltar que a CBKC não se opõe à utilização do termo castanho em substituição ao fulvo na emissão de pedigrees. Apesar do padrão da raça indicar o fulvo, ao longo do tempo, pode-se verificar que, em relação a esta designação, já existiram outras variações, tais como o caramelo e o dourado.

Labrador Retriever – Adestra Campinas

Retriever do Labrador (ou carinhosamente, Labrador ou Lab), é uma das mais conhecidas raças de cão. Notabiliza-se por sua amabilidade, inteligência e obediência. Devido a estas características, são frequentemente treinados para cães de caça, de assistência, como cães-guia ou de serviço. A raça Labrador é uma das mais populares em todo o mundo, em especial nos Estados Unidos e Europa.

Ótimo cão de companhia, mas atenção, pois este cão adora estar na presença de humanos e odeia estar sozinho. Não é, de todo, adequado para alguém que esteja fora de casa por longas horas durante o dia.

A origem do nome “retriever”

O nome “retriever” deve-se ao facto de o Labrador ter como principal função a busca de caça abatida. Existem mais raças na família dos “retrievers”, como, o Golden Retriever, o Toller Nova Scotia Duck Tolling Retriever), o Curlie Coated Retriever, o Chesapeake Bay Retriever ou o Flat Coated Retriever.

Temperamento

Devemos lembrar que o comportamento tem base na genética e a educação do cão. Assim, vamos falar sobre como é o temperamento de um bom Labrador, oriundo de pais que correspondem ao que se espera da raça e que recebem uma educação cuidada e adequada, sem violência, mas também sem mimos excessivos.

Os Labradores são cães com bastante energia enquanto filhotes. Isso significa que eles são como crianças, e se deixados sozinhos com objetos perigosos por perto, irão fazer a sua “arte”. Quando adultos, diminuem a actividade física espontânea, mas não perdem o espírito brincalhão e amigo, estando sempre dispostos a mais um passeio com o dono ou mais uma corrida com as crianças.

Como estão sempre dispostos a agradar o dono, aprendem facilmente a cumprir as mais diversificadas ordens ou realizar as mais diferentes actividades. Adoram brincar e gostam muito de água, as crianças são a sua paixão protegendo-as lealmente até ao fim.

Um Labrador solitário não se desenvolve de forma saudável, os labradores da actualidade foram tornados cães de família, habituados a viver rodeados de gente à sua volta e a receber mil e um mimos diários.

Labradores são cães de médio para grande porte. Pelo padrão, as fêmeas devem medir entre 54 e 56 cm na cernelha e os machos entre 56 e 57. A cernelha é o ponto mais alto do ombro, antes do pescoço. O tamanho é medido desse ponto até o chão. Labradores em boa forma (não gordos) pesam, em média, entre 37 e 42 quilos, dependendo do sexo e genética.

A pelagem é dupla: tem pêlo (mais duro e comprido) e subpêlo (que você vê abrindo a pelagem. Parece uma lãzinha curta, macia e de cor mais opaca). São encontrados em três cores: amarelos (variando do creme claro ao avermelhado da raposa), chocolates ou pretos. A cor tem que ser homogénea, e uma pequena mancha branca é aceita somente no peito, preferindo-se os inteiros de uma cor. O nariz, contorno dos olhos e lábios dos chocolates são marrons. Nos amarelos e pretos são pretos. Um nariz um pouco mais claro (não rosa, nem marrom… um preto desbotado) é aceito nos amarelos mais velhos ou durante frio intenso (nariz de inverno). Os olhos nas três cores devem ser castanhos, podendo ser um pouco mais claros (mas ainda castanhos) nos exemplares chocolates.

Labradores amarelos com nariz, contorno dos olhos e lábios, rosas ou marrons, são considerados despigmentados. Essa falha de pigmentação leva o cão a ser mais suscetível à problemas de pele, inclusive queimaduras dos raios solares (e isso pode levar ao câncer de pele). Portanto, os Labradores despigmentados, devem ser muito amados como cães de companhia, mas não devem se reproduzir, e o dono deve (obrigatóriamente) tomar cuidados adicionais, como somente expô-lo ao sol em horários específicos (de manhã ou bem à tarde) e passar protetor solar no nariz.

As orelhas são pendentes, triangulares e médias.

O focinho deve ser médio e forte (largo). Os dentes se fecham em tesoura (visto de frente, os dentes de cima ficam logo à frente dos debaixo, sem espaços).

As costelas e o rabo são bem característicos. As costelas são bem largas e arredondadas. Como é um cão que foi feito para caçar em águas geladas, precisa de um bom pulmão. Por isso as costelas tem esse formato, que lembra o de um barril. Às vezes isso dá a impressão de se tratar de um cão gordo. Se você colocar a mão sobre as costelas e conseguir senti-las com certa facilidade, verá que o exemplar não está fora do peso e sim que tem as costelas corretamente arqueadas.

O rabo é um outro ponto importantíssimo. Ele serve de leme nas mudanças de direção enquanto está nadando. O rabo deve ser largo, relativamente curto (se puxado para baixo deve atingir, no máximo, o jarrete (“calcanhar”) e reto. Rabos finos e curvados para cima não serviriam para a atividade original, e por isso, são penalizados nas pistas de exposição.

Labrador: um cão com mil oficios!

A primeira vista o Labrador parece insignificante, mas tornou-se mundialmente popular, as suas características únicas. Consegue manter a sua serenidade mesmo no maior dos caos, tem uma capacidade de adptação única e é muito dedicado à família.

Desde do principio do século XX que os europeus reconhecem as qualidades deste cão allround! Recrutou na Primeira Guerra Mundial junto da aristocracia e dos caçadores, entregavam informações, transportavam medicamentos e procuravam subterrados.

Devido ao seu temperamento equilibrado e a sua resistência começaram a ser usados como cães guia para cegos. Mas, sempre disposto a aprender revelou-se também, para descobrir os afogados debaixo de água e arrasta para terra as pessoas em perigo de naufrágio que entram em pânico, após avalanches, terremotos ou outras catástrofes naturais, procuram os soterrados.

Persistente e companheiro é preferido na polícia e nos serviços de alfândega. Para além de tudo isto continua a efectuar a sua tarefa de ajudante de caça, na procura de aves aquáticas.

A única coisa para a qual não é adequado é para cão de guarda, apesar de vigiar com grande atenção, diificilmente pode vir a ser um cão «mordedor», devido ao seu alto limiare de excitação e à sua falta de agressividade.

História

Na planície de Terra Nova (Canadá) existiam alguns cães que trabalhavam com os pescadores tanto puxando redes de pesca, quanto buscando peixes que escapavam entre as redes.

Eram basicamente de dois tipos: um maior e mais peludo, outro menor e de pelagem mais curta, este também conhecido como Cão de Saint John.

Esse cães foram levados para o Reino Unido, e alguns caçadores de aves (especialmente patos) descobriram que poderiam utilizar algumas das características desses cães para criar uma raça específica para a função. Mantiveram, através de acasalamentos selecionados, características como a vontade de buscar objetos, o gosto pela água, a pelagem grossa e resistente, a boca “macia” (que carrega objetos sem danificá-los), a docilidade e a obediência. Os cães menores e com pelagem mais curta eram mais aptos ao trabalho, já que cabiam melhor nos barcos pequenos, eram mais fáceis de serem içados de volta à embarcação e a água não congelava entre os pêlos, como ocorria com cães de pelagem mais longa.

Foram usados cães locais e cães de outras raças, além do Saint John. Eram selecionados os filhotes mais aptos ao trabalho.

Com isso chegou-se ao Labrador. No início, apenas os pretos eram reconhecidos. Como nasciam cães de outras cores nas ninhadas, alguns criadores se uniram e fundaram o Clube do Labrador Amarelo, que foi a segunda cor a ser reconhecida pelo TKC (The Kennel Club). Por último, reconheceram o chocolate, que também era comum, mesmo em ninhadas de pretos.

Assim, o local que originou a raça através da seleção é a Grã Bretanha. Apenas um conselho de criadores dessa localidade, sob aprovação do kennel club local, pode modificar as características descritas no padrão oficial. Os labradores são excelentes companheiros e adoram estar perto dos humanos.

Saúde

Quanto à saúde, Labradores não costumam ter maiores problemas.

Deve-se ter muito cuidado ao adquirir um filhote, ou ao pensar em acasalar o cão que está em sua casa. A displasia coxofemoral (displasia da anca) e a displasia de ombros são duas doenças geneticamente transmissíveis, sem cura e que podem não apresentar sintomas (ou seja, seu cão pode ter e você nem desconfiar).

Ao comprar um filhote, deve-se ver as chapas de displasia (raios X) dos pais, mesmo que ambos pareçam saudáveis. Essas chapas são feitas depois dos dois anos de idade (quando o cão já está completamente formado) e por profissional veterinário credenciado pelo Colégio ou Ordem Veterinária local.

Alguns dos melhores criadores também testam se os cães (futuros pais e mães dos filhotes) têm algum problema cardíaco ou de olhos que possa ser transmissível aos bebês.

Como são cães pesados e grandes, deve-se evitar a obesidade (que sobrecarrega patas, pernas e coluna), piso liso e escadas (especialmente com filhotes).

Em países de clima quente, além das duas trocas anuais de pêlos, os Labradores acabam fazendo uma “muda contínua” durante todo o ano. Alimentação adequada e de boa qualidade, escovagens frequentes e poucos banhos com shampoo ou sabonete, melhoram um pouco a situação. Banhos de piscina ou de mangueira são liberados, mas o dono deve secar as orelhas e ouvidos para evitar otites.

Genética de Cores

Exatamente para evitar filhotes despigmentados, os criadores devem estudar, além da saúde, temperamento e aparência dos pais (itens verificados antes de todos os acasalamentos nos canis sérios), a genética de cores dos pais.

Os Labradores pretos são dominantes. A genética é estabelecida por (A_C_).

Os chocolates são A_cc e os amarelos são aa_ _. Os amarelos despigmentados são cães totalmente recessivos (aacc) e tem grandes chances de apresentarem problemas de pele (inclusive câncer, como explicado no item “Aparência”).

Para evitar, os acasalamentos recomendados são:

– Entre pretos puros: AACC – só nascerão filhotes pretos.

– Entre pretos (família amarela) e amarelos. a genética dos pretos pode ser AACC (preto puro) ou AaCC (preto com genética para amarelo). Os amarelos devem ser aaCC. Nascerão filhotes pretos e/ou amarelos.

– Entre amarelos de genética aaCC. Só nascerão amarelos.

– Entre pretos (família chocolate) e chocolates. A genética dos pretos pode ser AACC (puro) ou AACc (preto com genética para chocolate). Os chocolates devem ser AAcc. Nascerão pretos e/ou chocolates.

– Entre chocolates com genética AAcc. Nascerão somente chocolates.

Deve-se evitar todo o acasalamento que possa gerar um filhote que tenha genes chocolates e amarelos ao mesmo tempo.

 

Buldogue – Adestra Campinas

O buldogue (do inglês Bulldog, onde bull é “touro” e dog é “cão”) era originalmente um cão de rinha usado em brigas com touros. É uma raça de cão de fila (molossóide) originário da Grã-Bretanha. Há vários tipos de buldogues: buldogue inglês, o buldogue francês ou bouledogue, espanhol (este o mais robusto de todos, chegando a pesar até 50 kg), o bulldog americano e o bulldog campeiro (estes dois últimos não reconhecidos oficialmente, sendo o último uma raça brasileira).

Aparência

Corpo musculoso, cabeça grande, arredondada, focinho curto e achatado, pescoço arqueado e com barbela, maxilars proeminentes, boca larga, beiços pendentes, orelhas pequenas e pêlo curto de cor fulva e branca ou branca e mosqueada.

Potenciais problemas de saúde

Por ser uma raça em que o focinho é achatado, não deve ser forçado a fazer muito exercício nas horas de mais calor, devido a uma forte ocorrência de problemas respiratórios. Também se deve enxugar a umidade acumulada nas pregas e rugas do focinho, porque são zonas que a acumulam bastante, podendo ocasionar dermatites e surgimento de fungos.

Um pouco de história

Realidade e ficção misturam-se para a construção da história dessa fascinante raça, originária da Inglaterra. Foi inicialmente chamada de Bondogge ou Bolddogge, mais tarde Banddogge, mas os primeiros registros do que hoje é definido como “bulldog” datam de 1609.

Em meados de 1133, no reinado de Henrique II, havia o costume de organizar lutas de cães contra touros pelas ruas do reino. Uma dessas lutas foi vista pelo Lord Stamford de Lincolnshire, da Grã-Bretanha, que ficou impressionado com a bravura dos cães e resolveu criar arenas para a realização de embates entre um touro e vários cães, sendo essas lutas chamadas de bull baitings . O touro era amarrado no centro do picadeiro com uma corda de 23 metros, com folga para se movimentar e golpeava os cães com coices e cabeçadas, transformando os buldogues em toureiros. No auge da popularidade este esporte, no qual se apostavam vultosas somas de dinheiro, teve árduos defensores, tanto da nobreza como entre os deserdados. Espalharam-se arenas destinadas para este espetáculo, cujos vestígios existem até hoje na Inglaterra. Daí o nome bulldog , bull = touro e dog = cão, sendo os donos dos cães chamados de bullots .

De maneira a permitir que os cães resistissem e sobrevivessem a esses ataques, alguns “melhoramentos” se fizeram necessários: as orelhas ficaram mais curtas para evitar que o chifre do touro as dilacerasse (hoje, têm o formato de um botão de rosa e passou a ser padrão da raça); para prender a cabeça do touro ao solo e poder continuar respirando, o buldogue contava com um nariz bastante achatado e uma mandíbula muito forte e resistente; a cara enrrugada impedia o corrimento de sangue para os olhos e narinas; a jaqueta (pelo solto) o protegia contra eventuais rompimentos de pele; uma dianteira bem mais pesada que a traseira para atender a dois requisitos: proporcionar força ao cão para prender a cabeça do touro no chão e, em caso de arremesso ou balanço por um descuido, evitar fratura da coluna e um rabo curto que impedia qualquer engate dos chifres do touro. Sua técnica de ataque e destemor nas lutas fizeram com que ele ganhasse domínio e fama neste cenário, tornou-se a raça absoluta e exclusiva para a prática deste esporte, que conquistou ilustres personagens da Nobreza Inglesa: os reis Jaime I, Ricardo III e Carlos I; a Rainha Isabel I proporcionava este espetáculo como parte dos entretenimentos das recepções oferecidas aos Embaixadores e Monarcas dos Reinos vizinhos.

Com a evolução do pensamento e refinamento da civilização, os Ingleses conscientizaram-se da carnificina injustificável que este esporte representava e após muita polêmica e debates, a oposição se fez tão forte que, em 1835 foi promulgada uma lei na qual todos os combates entre animais foram proibidos. Com isso, a raça ficou nas mãos de bandidos, marginais e indivíduos mal intencionados, que promoviam e mantinham as rinhas na clandestinidade, correndo risco de extinção. Paralelamente, os autênticos amantes e entusiastas iniciaram um paciente trabalho de triagem para a seleção dos cães que apresentassem um temperamento equilibrado, dócil e seguro. E através da seleção destes espécimes, realizou-se o aprimoramento do temperamento impedindo-se para a reprodução todos os cães agressivos, neuróticos ou inconstantes, o que tornou a raça segura e adequada ao convívio civilizado, como conhecida atualmente.

Os Ingleses foram os pioneiros na cinofilia mundial, fundando em 1865, o The Bulldog Club (o primeiro clube de Buldogue Inglês que antecedeu o atual). Em 1873, foi fundado o primeiro clube de cinofilia do mundo, que existe até hoje chamado The Kennel .

O The Bulldog Club encerrou suas as atividades e, em 1875, foi fundado o The Bulldog Club Incorporated, ainda em atividade. O clube coordena as atividades sobre a raça na Inglaterra, inclusive gerencia os três importantes campeonatos da raça: Crufts, Bulldog of the Year e The Bulldog Incorporated , shows em que só participam Bulldogs com títulos de Campeão.

Em 1890, surge nos E.U.A., o primeiro clube da raça na América. Os criadores estadunidenses começaram a importar os melhores Bulldogs da Inglaterra iniciando sua criação no país. Estes mesmos homens trabalharam arduamente para promover exposições especializadas e foram os responsáveis pela popularização dos Bulldogs , despertando o interesse pela raça em todo o país. A partir daí, eclodiram no mundo inteiro os clubes especializados nessa raça, sendo fundado no Brasil em 2000 o Bulldog Club do Brasil.

PADRÃO DA RAÇA

O Buldogue Inglês pertence ao 2º grupo, seção 2 – Molossóides, 2.1 – Tipo Mastife.

Aparência geral: cão de estatura baixa, largo, corpo curto, musculoso, pêlo macio, muitíssimo dócil, fiel e corajoso.

Tamanho, Proporção e Simetria: 30,48 cm a 40,64 cm de altura e pesar entre 22,7 kg (fêmeas) e 27,25 kg (machos).
A circunferência do crânio em frente às orelhas deve medir pelo menos a altura do cão até os ombros. Os pontos de cada parte do corpo do cão devem ser bem distribuídos e manter relação um com outro, sem características em tal proeminência que possam ou exceder, ou diminuir a qualidade do animal de forma que ele aparente ser deformado ou desproporcional.

Cabeça: Vista de perfil, parece muito alta e curta. A testa é plana, com pele acima e ao redor da cabeça, solta e enrugada. A projeção dos ossos frontais é proeminente, larga, quadrada e alta. Do stop, um sulco largo e profundo se estende até o meio do crânio. A face frontal dos ossos zigomáticos até a trufa é curta com pele enrugada. A distância do canto interior do olho (ou do centro do stop entre os olhos) até a extrema ponta da trufa não deve exceder o comprimento da ponta da trufa à comissura labial.

•  Região craniana:

•  Crânio largo em circunferência, medido (em frente das orelhas) deve ter aproximadamente o comprimento da altura do cão na cernelha. Visto de frente, aparenta ser muito alto do canto do maxilar inferior até o occipital; também muito largo e quadrado.

•  Stop profundo e largo entre os olhos.

•  Região facial: as várias partes da face devem ser igualmente equilibradas de cada lado.

•  Olhos vistos de frente, inseridos baixos no crânio, bem separados das orelhas, redondos, de tamanho moderado, nem inseridos profundamente nem proeminentes, de cor muito escura, quase preta. Seus contornos externos ficam no interior das bochechas, mas são bem separados. Olhos e stop numa mesma linha reta em um ângulo reto do sulco frontal.

•  Focinho curto, largo, curvando-se para cima e muito profundo do canto do olho ao canto da boca.

•  Trufa: Nariz e narinas largas e pretas, jamais de cor fígado, vermelha ou marrom. A ponta da trufa é bem colocada para trás em direção aos olhos. Entre as narinas grandes e largas, existe uma linha vertical bem definida.

•  Lábios grossos, largos, pendentes e muito profundos, cobrindo completamente as laterais da mandíbula sem cobrir a frente.

•  Maxilares largos, maciços e quadrados com 6 incisivos pequenos entre os caninos inseridos regularmente em linha reta. Caninos bem separados. Dentes grandes e fortes, nunca devem ser vistos com a boca fechada. A mandíbula se projeta consideravelmente para frente do maxilar superior curvando-se para cima, e quando vista de frente deve se juntar direta e paralelamente ao maxilar superior.

•  Bochechas arredondadas e estendidas além de cada lado dos olhos.

•  Orelhas inseridas altas; a borda anterior de cada orelha (vista de frente) se junta ao contorno do crânio no ângulo superior, de maneira que as orelhas fiquem bem separadas, mais altas e o mais distantes possível dos olhos. Pequenas e finas, sendo o correto as orelhas em rosa (dobradas para dentro na sua parte posterior, a borda anterior superior se curva para o exterior e para trás, mostrando a parte interna do ouvido).

Pescoço, Tronco e Cauda:

•  Pescoço : de comprimento moderado (mais para curto do que longo), muito grosso, profundo e forte. Bem arqueado atrás, com muita pele solta, grossa e enrugada na garganta, formando barbela de cada lado da mandíbula até o peito.

•  Tronco:

•  Linha superior ligeiramente caída para trás, atrás dos ombros (parte mais baixa), de onde a coluna vertebral se direciona para o lombo (ponto mais alto que o ponto dos ombros), descendo, de novo, bruscamente, até a cauda, formando um arco (chamado roach-back), característica típica da raça.

•  Dorso curto, forte, largo nos ombros, comparativamente mais estreito no lombo.

•  Peito largo, lateralmente redondo, proeminente e profundo do topo dos ombros até a parte mais baixa. Seu diâmetro é largo, redondo atrás dos membros dianteiros (não é plano), costelas bem redondas e arqueadas para trás.

•  Ventre: esgalgado, não pendente.

•  Cauda: inserida baixa, saliente e reta, depois inclinando para baixo. redonda, lisa, sem franjas ou pêlos ásperos, de comprimento moderado, mais curta do que longa, espessa na raiz, afilando para a ponta. Portada baixa (não tem uma curva para cima, na ponta), nunca portada acima do dorso.

Membros:

•  Anteriores: robustos e fortes, bem desenvolvidos, bem separados, grossos, musculosos e retos. Apresentam um contorno arqueado, mas os ossos das pernas são fortes e retos, nem arqueados nem tortos; curtos em proporção às pernas posteriores, porém não tão curtos a ponto de o dorso parecer longo ou de prejudicar a atividade do cão e de incapacitá-lo.

•  Ombros largos, oblíquos, profundos e musculosos.

•  Cotovelos longos e colocados bem longe das costelas.

•  Metacarpos curtos, retos e fortes.

•  Patas de tamanho médio, retas e viradas ligeiramente para fora e moderadamente redondas.

•  Posteriores: longos e musculosos, proporcionalmente mais longos do que os anteriores para elevar o lombo.

•  Perna longa e musculosa do lombo aos jarretes.

•  Joelhos redondos e virados ligeiramente para fora, longe do corpo.

•  Jarretes ligeiramente angulados, bem descidos, curtos, retos e fortes na parte de baixo, unindo-se um ao outro.

•  Patas redondas e compactas.

•  Dedos compactos e grossos, bem separados, fazendo salientar as juntas que são altas.

Pelagem: Textura fina, curta, fechada e lisa.

Cor e Marcação: Unicolor ou unicolor com máscara ou focinho negros , com cores entre vermelho e suas diferentes tonalidades, fulvo, marrom claro, branco, mesclado (combinação do branco com qualquer uma das cores anteriores) e tigrado. As cores fígado, preto e preto com marrom fogem ao padrão da raça. Não há uma marcação definida.

Movimentação: Pesada e contraída, dando a impressão de andar nas pontas dos dedos, a passos curtos e rápidos. Ao movimentar-se rapidamente, um ou outro ombro se eleva.

Temperamento: Trata-se de um cão de personalidade com um toque de teimosia, a lerta, valente, leal, corajoso e brincalhão. A pegado às pessoas da casa, o Buldogue demonstra afeto a todos os familiares, mas quase sempre elege um dos integrantes como dono predileto que será seguido pelos cômodos, festejado de maneira mais efusiva e também terá sua atenção regularmente cobrada. Os exemplares da raça são de pedir carinho e gostam de contato físico, um colo para apoiar a cabeça e um demorado abraço, e é raro vê-los latindo. É um cão de muitos amigos, não resistindo a um convite para brincar. É o tipo de cachorro que pode ser afagado por qualquer pessoa e que, salvo pelo amedrontador ar carrancudo, não dispõe do menor talento para a guarda.

Por ser uma das raças mais antigas, ter uma aparência peculiar e carismática, tornou-se símbolo de times e várias entidades e grupamentos, e até mesmo pelo sucesso que obteve ao ser lançado na telas de cartoons , conquistou inúmeros adeptos, fãs e apreciadores em todos os continentes.

Ter um Buldogue é sinônimo de bom gosto, status e poder aquisitivo, já que é uma das raças mais caras em todo o mundo, sendo seu valor justificável quando se imagina os trabalhos e custos muitas vezes envolvidos na criação da raça.

Expectativa de Vida: de 6 a 9 anos.

Bull Terrier – Adestra Campinas

O Bull Terrier é uma raça de cão da família terrier.

Aparência

Bull Terriers são musculosos, com pelagem curta e densa. As cores de sua pelagem são:

  • branca pura, podendo apresentar pequenas manchas bicolores ou pretas.
  • tigrada;
  • dourada;
  • preta;

estas cores combinadas com branco nos cães são chamadas bicolores;

  • preta e canela;
  • preta e tigrada;

estas combinadas com o branco são chamadas tricolores.

Cães brancos e tigrados são preferidos.

Sua característica mais notória é sua cabeça em formato de ovo quando observada de frente, levemente achatada em cima, trufa (nariz) preto, nunca de outra cor, sempre voltado para baixo (linha do solo), orelhas eretas e pontudas, olhos triangulares, aparentando estarem semi fechados.

Não existe um padrão para peso e tamanho, mas a média do standard varia de 51 a 61 cm e entre 20 e 32 kg.

A variação miniatura do Bull Terrier deve possuir as mesmas características, porém com um peso e tamanho menor, no máximo 35 cm na cernelha.

Temperamento

São amigáveis e possuem um maravilhoso senso de humor. Sua força física é proporcional à sua notável inteligência, e ambas necessitam estar em constante atividade.

Podem ser teimosos e também tendem a ter um dono general para mandar e reprimir coisas indesejáveis e o melhor é que eles gostam disso. A característica da raça é ser mansa, pois sua origem, diferente do que muitos acreditam, não se deve às rinhas. Foram criados exclusivamente para companhia e exposições de beleza.

São muito afetuosos e adoram companhia humana, portanto, ás vezes é perigoso deixá-los sozinhos, pois eles se distraem mordendo as coisas, então é sempre bom deixar brinquedos no local!

Também são recomendáveis para fazer companhia a crianças, pois sua força lhes garante um alto nível de tolerância à dor, garantindo resistência para as brincadeiras.
Podem desenvolver um temperamento ciumento para com o dono e territorialista em sua casa, para isto, é bom desde novo fazer um trabalho de socialização para que quando estiver adulto aceite outros cães.

Ascendência

O Bull Terrier é fruto do cruzamento de 2 raças:

O Antigo Bulldog Inglês: Pontos positivos: a coragem, a determinação, substância, osso, costela em barril, profundidade de peito, maior força de mandíbula e pelagem. Também vieram dos bulldogs as cores e possivelmente a obediência. Pontos negativos: construção abuldogada, crâneos exageradamente largos, prognatismo, olhos redondos e despigmentações em geral.

O Terrier Branco Inglês: Pontos Positivos: veio refinamento, qualidade, olhos pequenos e escuros, inserçào de orelhas, expressão, desenho, pés, ombros bem ajustados, joelhos bem construídos, agilidade, inteligência, instinto e claro a cor branca. Pontos negativos: uma tendência à leveza de construção, pouco osso, hiperatividade e claro surdez muitas vezes encontradas em cães brancos.

Miscelânea

  • Apesar do nome causar confusão, Bull Terriers não estão diretamente relacionados aos American Pit Bull Terriers. No entanto, ambas as raças tem a mesma ascendência.
  • Bull Terriers já apareceram em vários filmes de Hollywood, incluindo Oliver, A Incrível Jornada e Babe: Um porquinho atrapalhado na cidade.
  • Fritz é um Bull Terrier da ficção, criado pelo autor norte-americano, Chris Van Allsburg (autor de O Expresso Polar), e aparece em todos os seus livros.
  • Bull Terrier é a única raça registrada com olhos triangulares.
  • O cachorro Shark do desenho Eek, The Cat, era da raça Bull Terrier.
  • O cachorro Sadam do personagem Massaranduba do humorísitico “Casseta e Planeta” era também um Bull Terrier, apesar de ser equivocadamente chamado de Pit Bull no programa. A razão do desencontro é porque o fantoche usado nas esquetes era uma sobra do infantil “TV Colosso”.
  • No desenho do Beethoven também há um bullterrier.
  • Outra aparição de um Bull Terrier: No seriado Keen Eddie, o cão do detetive era um bull terrier
  • O cão de Sid,vizinho de andy,do Toy Story,é um bull terrier.

« AntesDepois »

Adestra Campinas